Fique conectado

Fases da Vida

“Cachorro idoso” com mais de 18 mil anos é encontrado na Sibéria.

Equipe Clube dos Bichos

Publicado

em

cao-idoso

Um cachorro bem idoso foi descoberto na Sibéria. O corpo congelado desse animal, com 18 mil anos, deve ajudar no entendimento da relação entre os lobos e os homens pré históricos, assim como o processo de convivência doméstica entre as espécies – transformando os lobos nos cães que hoje nos damos tão bem.

Apelidado de Dogor (que pode significar “lobo/cão” e “amigo”), o bicho foi descoberto na região siberiana de Yakutsk.

Ele foi encontrado no ano de 2018, porém ainda restam dúvidas se foi um lobo ou cachorro – se confirmado, Dogor pode ser até então o cachorro mais antigo já encontrado.

Você pode também gostar desse post: IDADE DE CACHORRO: Como calcular em relação a “idade humana” pela nova tabela?

cachorro-idoso

A morte desse animal certamente ocorreu durante a era do Paleolítico Superior, mesma época em que há relatos sobre a domesticação dos primeiros cães. Assim, supõe-se que os primeiros cachorros evoluíram de um tipo de lobo, extinto entre 15 mil a 40 mil anos.

Aliás, o que esse cachorro idoso pode nos ensinar?

Então, seja mesmo um cão ou um animal de transição entre o lobo e os cachorros, o corpo do bicho se torna uma relíquia muito importante de investigação e entendimento desse processo de domesticação.

O corpo de Dogor ficou bem guardado, pois o animal conservou toda sua pelagem além de cílios, focinho, tecidos e dentes. O fato de o animal estar tão preservado significou para os especialistas que ele parece ter falecido há não muito tempo e o motivo de sua morte, não há uma resposta clara.

Os achados de corpos de animais em bom estado de conservação se dá por conta da diminuição da camada do solo ano após ano. Ademais, isso acontece devido as transformações climáticas que ocorrem ao redor do mundo.

Esses animais têm milênios de idade, mas apesar de serem uma ótima descoberta para a ciência, a liquefação da camada pode causar erosão, desmoronamentos, desequilíbrios, liberação de gases poluentes e demais prejuízos ao meio ambiente.

Pitucha, uma das cadelas mais idosas do Brasil:

Uma cadela amazonense chamada Pitucha comemorou 16 anos recentemente, mas ainda mantem a aparência de um filhote. Considerando a média da expectativa de vida de um cão, ao fazer a conversão da idade do animal, a Pitucha teria 104 anos, de acordo com os antigos cálculos estimados.

Entretanto, uma nova tabela de relação entre a idade dos cachorros e a idade dos humanos foi desenvolvida em 2019, por pesquisadores americanos.

Para saber mais sobre esse assunto e porque, na verdade, a Pitucha deve ter cerca de 80 anos, veja esse post.

Por fim, apesar da idade avançada, Pitucha é muito esperta e graciosa, arrancando elogios por onde passa.


VEJA TAMBÉM:


Cachorros pequenos para apartamento: Indicações do Clube dos Bichos!

Cachorro gordo: quais os riscos e como resolver o problema da obesidade.

Adoção de Cachorro: o amor supera qualquer barreira?


guilherme rezende

Guilherme Rezende

Médico Veterinário formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Pós graduado em Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais pela Universidade Castelo Branco (UCB).

Cofundador do site Clube dos Bichos.

fabiano carregaro

Fabiano Carregaro

Médico Veterinário graduado pela Universidade de Brasília (UnB).
Mestre em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Cofundador do site Clube dos Bichos.


Fonte:

Hypeness.com.br – Filhote de 18 mil anos achado congelado na Sibéria pode ser cão mais velho do mundo. (Acessado em 15/12/2020)

Cadelinha idosinha comemora 16 anos de vida mas continua se parecendo com uma filhotinha – Catioro Reflexivo. (Acessado em 15/12/2020)

Clique para comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: