Fique conectado

Saúde

Cirurgia do carocinho no olho do cachorro [Olho de Cereja]

Equipe Clube dos Bichos

Publicado

em

cirurgia-bolinha-do-olho

A cirurgia do carocinho no olho do cachorro é um dos tratamentos indicados para resolver o problema da protusão da terceira pálpebra nos cães.

Popularmente conhecida como caroço do olho do cachorro, olho de cereja ou cherry eye, a protusão dessa estrutura é uma alteração oftálmica muito comum nos cachorros e, portanto, a cirurgia para sua retirada também é um procedimento relativamente comum.

Saiba um pouco sobre como ocorre o olho de cereja em cães.

Os cachorros possuem uma estrutura no canto do olho chamada terceira pálpebra e é nela que está posicionada a glândula lacrimal.

Em alguns casos, os tecidos responsáveis por manter essa glândula em seu lugar anatômico são fracos e, por isso, podem facilitar o aparecimento dessa doença.

Com os tecidos fracos ou fragilizados, a glândula tem liberdade para se movimentar. Tal movimentação permite a sua projeção para “fora do olho”, e, portanto, sua exposição ao ambiente.

carne-no-olho-do-cachorro

Quando esta doença se apresenta, é facilmente identificável pelos tutores, pois fica bem visível um tecido que lembra uma carne no olho do cachorro.

Consequentemente, com a exposição dessa estrutura inicia-se um processo de ressecamento da superfície da glândula lacrimal que tem como resultado um atrito sobre ela.

Dessa forma, é gerado um processo inflamatório inicial, aparecendo uma bolinha no olho dos nossos animais.

Por fim, saiba que os casos de “cherry eye” muito recentes e com processos inflamatórios discretos podem ser tratados clinicamente, mas, infelizmente, a taxa de sucesso é pequena.

Certamente, a cirurgia do olho de cereja é o tratamento que apresenta a maior eficácia.

Para saber, também, se o olho de cereja volta sozinho veja esse artigo: Olho de cereja em cachorro! O que fazer?

Mas antes de entrarmos no tema principal que é a cirurgia, é importante reforçar que o diagnóstico confirmando o problema deve ser feito pelo médico veterinário.

Várias outras doenças podem ser confundidas como olho de cereja, como: eversão da cartilagem da 3ª pálpebra, nódulos no olho, edema da glândula, entre outros.

Quer saber mais sobre essas doenças parecidas com olho de cereja? Veja esse post.

Sabendo disso, agora podemos ir para os aspectos do tratamento cirúrgico do problema.

Como é feita a cirurgia do olho de cereja?

Após identificar essa carne crescida no olho do cachorro, o tutor sempre se questiona: como tratar olho de cereja em cachorro? O que fazer com esse olho inflamado?

Antes de mais nada, o tutor sempre deve levar o bichinho ao veterinário que, após consulta, esclarecerá quanto à necessidade ou não de cirurgia. Então, qual o objetivo da cirurgia para a retirada da bolinha no olho do cachorro?

Em suma, a cirurgia do cherry eye tem como objetivo recolocar a glândula no seu local original.

olho de cereja

A fim de corrigir o problema da glândula (caroço no olho) que está exposta, o médico veterinário cirurgião pode optar por algumas técnicas cirúrgicas. Mas, referida escolha dependerá do caso de cada paciente e da habilidade do cirurgião em executá-las.

Entretanto, é necessário saber se o caso é realmente de olho de cereja. Há várias outras enfermidades que se confundem com o cherry eye e, assim, precisam de avaliação diferencial.

Saiba tudo sobre todas as doenças parecidas com o olho de cereja neste post.

Também, antes de iniciar a cirurgia, o médico veterinário irá realizar alguns exames (exames pré-operatórios) para que a operação para reposicionar a carne do olho seja executada de modo mais seguro e previsível.

Aliás, quais são os exames pré-operatórios para a cirurgia do prolapso da terceira pálpebra em cães.

cereja-no-olho-do-cachorro

A cirurgia do olho de cereja em cães começa com a realização de exames pré-operatórios. Nesse momento, o objetivo é investigar o estado geral do animal a fim de diminuir os riscos durante o procedimento.

Em primeiro lugar, normalmente são solicitados exames como: hemograma, perfil renal e perfil hepático. Além disso, o veterinário de seu animal poderá solicitar outros que considerar adequados para o caso específico do seu cachorro.

Da mesma forma, é recomendado que o animal faça um período de jejum de 6 a 8 horas de alimentos sólidos antes da cirurgia. Importante destacar que não é feito jejum de líquidos.

O jejum é importante porque sob anestesia o organismo perde o reflexo de tosse ou deglutição e existe o risco de aspiração de saliva ou conteúdo estomacal para os pulmões.

Então, quais os tipos de procedimentos cirúrgicos para tirar o carocinho do olho do cachorro.

Existem cinco diferentes tipos de cirurgias para a resolução do problema.

As diferentes técnicas são divididas em dois grandes grupos cirúrgicos. O primeiro, possui como característica a ancoragem fixa da glândula em uma estrutura próxima ao globo ocular.

O segundo, por sua vez, possui a invaginação como premissa para a resolução dessa doença no olho do cachorro.

Assim, a diferença entre os dois grupos é que no primeiro (ancoragem) o cirurgião irá fixar a glândula lacrimal em uma estrutura próxima ao globo ocular para promover o tracionamento da bolinha do olho até que haja seu total reposicionamento anatômico.

Já na segunda (invaginação), o cirurgião faz um corte no tecido próximo à glândula lacrimal fazendo com que esse tecido “abrace” a glândula e a reposicione ao local original.

Portanto, lembramos que o médico veterinário irá optar pela técnica mais adequada ao caso de cada paciente e da sua habilidade em fazer o tipo de operação.

bulldog olho de cereja

Técnicas de Ancoragem – cirurgia do olho de cereja.

TÉCNICA DE BLOGG: nessa técnica é feito um corte na terceira pálpebra para expor a estrutura. Logo após, é posicionado o mais profundo possível na base dos tecidos presentes próximos ao globo ocular.

O correto local da glândula é observado quando há o retorno para a sua posição anatômica.

TÉCNICA DE KASWAN & MARTIN: a técnica de Kaswan e Martin consiste em fixar a bolinha do olho diretamente ao osso da órbita ocular (ponto de ancoragem).

O sucesso da cirurgia é observado também ao se verificar o correto posicionamento da estrutura anatômica.

Entretanto, por esse procedimento ser muito complexo, não foi tão difundido entre os médicos veterinários cirurgiões, porém, a próxima técnica veio para simplificar e aperfeiçoar os estudos de Kaswan e Martin.

TÉCNICA DE STANLEY & KASWAN: a técnica propôs adicionar uma incisão de pele com o intuito de permitir um melhor acesso ao ponto de fixação no globo ocular do cão, assim permitindo um melhor resultado cirúrgico.

Todas as outras etapas da cirurgia no olho do cachorro são iguais ao procedimento descrito anteriormente.

Técnicas de Invaginação – cirurgia do olho de cereja.

TÉCNICA DE MOORE:  a proposta é fazer um corte no tecido próximo à glândula lacrimal e utilizar dois pontos cirúrgicos simples e separados para auxiliar o reposicionamento da glândula lacrimal dentro desse tecido.

TÉCNICA DE MORGAN: propõe o reposicionamento da glândula lacrimal no tecido utilizando apenas um ponto contínuo que “abraça” toda a glândula e leva a estrutura ao local anatômico por meio da sutura com o tecido incisado.

Avaliação e cuidados no pós operatório.

No pós-operatório, deve ser feito uso de uma combinação de colírios antibióticos e anti-inflamatórios, a cada seis horas, por quatorze dias.

colirio-bolinha-no-olho-do-cachorro

Além disso, é muito importante que os animais usem colar elisabetano no pós-operatório para evitar traumatismos sobre a região operada.

Ou seja, esses quatorze dias após a cirurgia da carne crescida no olho do cachorro são considerados “dias de repouso”, nos quais o animal deverá fazer todas as suas atividades rotineiras com esse colar como proteção.

Sabe-se que as protrusões grandes e crônicas da glândula (bola no olho) certamente podem levar muitas semanas para retornar ao normal.

Ao término do tempo de cicatrização cirúrgica, é recomendada a realização de um teste para avaliar a produção de lágrima das glândulas lacrimais e, dessa forma, constatar a recuperação total da cirurgia do olho de cereja.

bolinha-do-olho-do-cachorro

Então, por que não retirar todo o caroço no olho que o animal apresentou?

Não se deve fazer a retirada da glândula lacrimal da 3ª pálpebra, pois esse ato gera uma redução de 30 a 50% do volume de lágrima no olho.

Com isso, podemos provocar graves problemas oftálmicos, como por exemplo, a ceratoconjuntivite seca popularmente conhecida como “olho seco no cachorro”.

Portanto, deve-se monitorar a mobilidade ou distorção da terceira pálpebra e a recidiva da protrusão. Caso haja recidiva, nova cirurgia deverá ser feita.

Qual o valor da cirurgia de olho de cereja em cães?

O preço da cirurgia de prolapso da terceira pálpebra pode variar entre R$ 500 e R$ 1500, dependendo da gravidade da lesão e dos materiais a serem utilizados para o procedimento cirúrgico.

Aliás, caso o cherry eye tenha ocorrido somente em um olho, devemos ter consciência da possibilidade de a glândula do outro olho desenvolver a mesma patologia.

O resultado do tratamento cirúrgico tem um grande índice de sucesso se a protrusão for aguda e discreta.

Além disso, após a aparição do problema, quanto mais cedo for feita a cirurgia, maiores são as chances de termos êxito no reposicionamento da glândula exposta.

As protrusões crônicas são mais difíceis de reposicionar e, portanto, é mais comum ocorrer recidivas nesses casos.


VEJA TAMBÉM:


SERÁ QUE É OLHO DE CEREJA EM CACHORRO? Saiba tudo sobre as doenças parecidas.

Olho de cereja em cachorro! O que fazer? [“Cherry eye”]

Cachorro com olho vermelho: pode ser eversão da 3ª pálpebra.



Referência Bibliográfica:

PEIXOTO, R.V.R.  and  GALERA, P.D.. Avaliação de 67 casos de protrusão da glândula da terceira pálpebra em cães (2005-2010). Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. [online]. 2012.

LORENSETI, J.A., SCHERIRII, M.E., SERAFINI, G.M.C..PROTRUSÃO DA GLÂNDULA DA TERCEIRA PÁLPEBRA EM CÃO – RELATO DE CASO. Rev. Cient. de Med. Veterinária. 2018.

MOTTA, G. R. Protrusão da glândula da terceira pálpebra em cães (Canis familiaris): relato de caso.  2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Clínica Cirúrgica de Pequenos Animais) – Universidade Castelo Branco, Belo Horizonte, 2015.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: