Fique conectado

Fases da Vida

Luto pela morte de seu animal de estimação: Como lidar?

Patrícia Aguiar

Publicado

em

LUTO MORTE PET

A perda de um animal de estimação provoca as mesmas reações de luto que a perda de um ser humano (familiar, amigo). É algo imenso, difícil de se explicar e que não pode ser comparado à nada.

A dor não é proporcional ao tempo vivido com animal, mas com a profundidade dos laços afetivos desenvolvidos. Nossos bichinhos nos oferecem muito mais que companhia, como amor, apoio e lealdade, que nem sempre conseguimos receber de outras pessoas.

O que é o luto pelos animais de estimação?

O luto pode ser considerado como um conjunto de reações – físicas, emocionais e comportamentais – decorrentes de uma perda significativa1 . Contudo, quando envolve animais, o significado muda.

Neste caso, o luto não é reconhecido, sendo considerado um tipo “não autorizado” pois foge às normas estabelecidas2.

É um processo dinâmico que pode ser dividido em fases. Ao final, espera-se que o indivíduo consiga viver a sua nova realidade lidando bem com seus sentimentos.

Você sabia que o luto pelos animais de estimação também tem fases/estágios?

Os 5 estágios descritos por Elizabeth Kübler-Ross:

Segundo a autora3, a negação e o isolamento fazem parte do primeiro e são um mecanismo de defesa temporário para o impacto da notícia.

O estágio seguinte é a raiva, no qual a revolta pela perda é externalizada com questionamentos, até mesmo agressivos, e a procura por culpados.

O terceiro estágio é o da barganha que envolve a negociação, através de acordos e promessas, com divindades ou profissionais de saúde que poderiam intervir na situação.

Surge, então a depressão, o quarto estágio, no qual as pessoas ficam mais quietas, repensando e processando tudo o que aconteceu.

E, por fim, o quinto estágio, o da aceitação. Neste ponto, as pessoas estão mais serenas e conseguem expressar melhor seus sentimentos, emoções, frustrações.

As autora traz boas contribuições para o entendimento do luto pela perda de um animal de estimação, que também é um ente querido. Mesmo ainda não reconhecido, psicólogos afirmam que esta perda gera um grande impacto emocional, pois participam do núcleo íntimo do tutor.

Afinal, o luto existe na relação tutor/animal?

A Psicologia dispõe de um vasto histórico no estudo do luto normal e complicado, que se baseia essencialmente nas “Teorias de Apego” de Bowlby e propostas psicanalíticas diversas, com seus desdobramentos ao recente Modelo do Processo Dual de Luto4, ressalta a psicóloga Marina Kohlsdorf.

John Bowbly indicou que a “Teoria do Apego”3, fenômeno que estabelece o vínculo de um bebê com seu cuidador, pode também ser aplicada na relação animal-tutor. Contudo, não costuma ter boa aceitação social, especialmente por aqueles que não dividem a vida com animais.

É comum que tutores, sob os efeitos da perda, relatarem que a sociedade não considera sua dor digna de luto.

Geralmente, essa não aceitação vem de indivíduos sem relação com animais, o que dificulta a empatia em relação a esses casos, subestimando o vínculo emocional que existiu.

A “não-permissão” social certamente impede que alguns tutores passem por todas as fases do luto e superem o problema.

O que fazer para lidar com a perda?

Certamente, uma das primeiras recomendações é se permitir viver o luto, independente do que os outros pensam, e confrontar a dor. Desse modo, você pode expressar sua dor por falas, conversas, textos, poemas, música, cartas, o importante é vivenciar esse momento que faz parte da sua história. Tenha paciência consigo e respeite seus momentos.

Procurar um psicólogo para ajudar a passar por esse momento doloroso é muito indicado. Nada como um profissional especializado para nos ajudar! Há vários relatos na rede de tutores que foram ajudados nesse momento por esses profissionais. É um excelente local de fala, de desabafo, sem julgamentos, já que nem todos em nossa sociedade entendem o sentimento envolvido entre tutor e pet, quanto mais sobre a dor da perda.

E o que nos diz uma tutora e profissional da área de psicologia sobre o luto vivido pela perda de seu animal de estimação?

Leia o depoimento de Marina Kohlsdorf, doutora em psicologia e professora universitária:

LUTO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO
Foto Original: Pixabay.

Tudo passa….

 


E aí, gostou do conteúdo? Tem alguma dúvida ou relato sobre a matéria? Deixe seus comentários aqui pra gente!

Além disso, aproveite para assistir também aos vídeos que publicamos lá no canal do YOUTUBE e as outras matérias do site! Abraços e até a próxima.


Referências Bibliográficas:

1. VIEIRA, M. N. F. Quando morre o animal de estimação: um estudo sobre luto. Acesso em 19/03/2020.

2. OLIVEIRA, D. de. O luto pela morte do animal de estimação e o reconhecimento da perda. Acesso em 19/03/2020

3. BASSO, A. L.; WAINER, R. Luto e perdas repentinas: contribuições da terapia cognitivo-comportamental. Acesso em 20/03/2020.

4. STROEBE, M.; SCHUL, H. The dual process model of coping with bereavement: rationale and description. Acesso em 21/03/2020.

5. Portal raízes. A morte de um animal de estimação dói igual à de um familiar. Acesso em 19/03/2020.

%d blogueiros gostam disto: